Caracterização Bioquímica e Farmacológica da Sp-ctx -toxina Multifuncional da Peçonha do Peixe Escorpião scorpaena Plumieri

Nome: Pedro Felipe Malacarne
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 30/03/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Rita Gomes Wanderley Pires Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Juliana Brambilla Carnielli Trindade Examinador Externo
Marco César Cunegundes Guimarães Examinador Interno
Rita Gomes Wanderley Pires Orientador
Suely Gomes de Figueiredo Coorientador

Resumo: Citolisinas são produzidas por diversos organismos e apresentam atividade tóxica a células individuais, causando dissolução através de lise. Citolisinas de peçonhas de peixes são proteínas multifuncionais que apresentam efeitos neurotóxicos, cardiotóxicos e inflamatórios, sendo descritas como “fatores proteicos letais”. Uma citolisina hemolítica lábil, formadora de poro, denominada Sp-CTx – Scorpaena plumieri - Cytolytic Toxin (glicoproteína, 2 subunidades de 65 kDa), foi recentemente purificada da peçonha do peixe escorpião Scorpaena plumieri. O objetivo deste trabalho foi estabelecer condições ótimas de manutenção da atividade hemolítica de Sp-CTx e dar continuidade à sua caracterização bioquímica e farmacológica. A estabilidade da Sp-CTx em diferentes condições (pH, temperatura e presença de cosolutos) e o efeito de diferentes cátions e lipídios de membrana sobre a atividade hemolítica foram avaliadas em eritrócitos de coelho. Foi demonstrado que a atividade hemolítica da Sp-CTx é mantida quando armazenada em 500 mM de NaCl, 1 M de sulfato de amônio, 60 mM de trealose e 10% de glicerol em pH 7,4 a 4 ºC e em glicerol 10% a -80 e -196 ºC. Também foi visto que a atividade hemolítica da Sp-CTx é dependente de cálcio e é completamente inibida por EDTA. O colesterol e o fosfatidilglicerol reduziram a hemólise induzida pela toxina, o que sugere que a toxina forma poro do tipo barril e é dependente da interação eletrostática com lipídios de membrana. Os motivos de carboidratos da Sp-CTx foram avaliados por western blot usando o kit “DIG Glycan Differentiation” sugerindo a presença dos motivos: galactose (1-4) N-acetilglucosamina e ácido siálico (2-3) galactose em complexos de N- e/ou O-glicanos. A resposta inflamatória induzida pela Sp-CTx foi avaliada usando como modelo o teste da pata de camundongo. Sp-CTx induziu nocicepção e resposta edematogênica local dose-dependente. O edema induzido foi significativamente reduzido pela administração prévia de HOE-140 e de aprotinina. Estes dados evidenciam o envolvimento do sistema calicreína cinina na resposta inflamatória induzida por Sp-CTx.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© Universidade Federal do Espírito Santo 20013. Todos os direitos reservados
Av. Marechal Campos, 1468 - Maruípe | Vitória - ES, Brasil | CEP 29.040-090