Summary: O desenvolvimento de estratégias terapêuticas para o tratamento de doenças neurodegenerativas apresenta caráter de urgência atualmente, visto que a população mundial, incluindo a brasileira, apresenta uma proporção cada vez maior de idosos. Quase metade da população acima dos 85 anos de idade apresenta algum tipo de doença neurodegenerativa (Evans et al. 1989, JAMA 262, 2551-2556) e o desenvolvimento de medicamentos para tratar tais doenças é essencial para evitar uma sobrecarga no orçamento do SUS. O sucesso de tais terapias será essencial para se aplicar técnicas preventivas, evitando um número grande de hospitalizações de pessoas idosas, o que acarretaria um grande custo ao SUS. A importância desse projeto é ainda maior quando se observa os dados estatísticos demonstrando que a população brasileira está envelhecendo (Fonte: IBGE revisão 2008). Ou seja, nas próximas décadas, ocorrerá um aumento da população idosa, sendo que a porcentagem de idosos em relação à população jovem irá aumentar. A estimativa é que esse aumento da população idosa levará a um aumento exagerado de pacientes com doenças neurodegenerativas o que acarretará um custo muito elevado ao SUS. Doenças neurodegenerativas são extremamente debilitantes e exigem um tratamento intensivo, envolvendo um número grande de agentes de saúde (enfermeiras, médicos, etc.), bem como internações constantes. A ausência de uma estratégia terapêutica eficaz é o principal problema enfrentado por esses pacientes idosos que desenvolvem tais doenças neurodegenerativas. A partir desses dados, fica claro a importância do desenvolvimento de intervenções terapêuticas que tratem tais doenças. Além desse aspecto econômico, o desenvolvimento de tratamentos para doenças neurodegenerativas será essencial para proporcionar dignidade e qualidade de vida a essa população idosa, bem como aos seus familiares. Os estudos propostos nesse projeto são fundamentais para a melhor compreensão dos mecanismos de neurotransmissão do núcleo da base e as alterações causadas pela presença da proteína huntintina mutante em pacientes com a Doença de Huntington (DH). Esses resultados serão essenciais para o desenvolvimento de uma estratégia farmacológica mais eficaz para tratar os distúrbios motores apresentados por pacientes com a DH, tendo como alvo receptores específicos e gerando menos efeitos tóxicos. Nossos dados preliminares demonstram que a interrelação entre os sistemas de neurotransmissão glutamatérgico, dopaminérgico, GABAérgico e colinérgico podem ser determinantes para a regulação motora e para a DH. Nosso objetivo é dissecar os mecanismos envolvidos com esses sistemas de neurotransmissão e determinar como a proteína htt mutante altera esse equilíbrio. Determinaremos ainda quais drogas podem restabelecer esse equilíbrio. O próximo passo será a elaboração de um estudo crônico envolvendo a administração de drogas que normalizem as alterações promovidas pela htt mutante. Para isso, utilizaremos camundongos modelos da DH e realizaremos testes comportamentais e neuropatológicos.

Starting date: 2010-12-01
Deadline (months): 24

Participants:

Rolesort descending Name
Coordinator * Rita Gomes Wanderley Pires
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105