Summary: Evidências experimentais e clínicas sugerem que as disfunções cognitivas, sobretudo o processamento da memória operacional no córtex pré-frontal, induzidas por drogas de abuso podem estar implicadas no estabelecimento e manutenção da dependência de drogas, dificultando o seu tratamento. Desta forma, estratégias neuromodulatórias, como a estimulação cerebral não-invasiva e a estimulação ambiental, que possam, de alguma forma, minorar as disfunções cognitivas e comportamentais produzidas pelas drogas, podem constituir-se em abordagens de extraordinária importância para o tratamento da síndrome de dependência ao álcool, crack-cocaína e outras drogas. Pelo seu caráter translacional, esta proposta será dividida em (1) Estudos Clínicos, e (2) Estudos Experimentais em Animais. Considerando o perfil mais agressivo da dependência do crack e de suas consequências físicas, comportamentais e especialmente cognitivas, mesmo quando comparadas à cocaína pura em forma de pó, e a ausência de compreensão dos mecanismos subjacentes a este padrão mais grave de efeitos, este projeto inclui dois estudos préclinicos nos Estudos Experimentais em Animais. Embora já se tenha conhecimento de que a anidroecgnonina metil éster (AEME), um metabólito exclusivo da combustão da cocaína, tenha se mostrado ainda mais neurotóxica do que a própria cocaína, seus efeitos comportamentais e cognitivos ainda não são conhecidos. Assim o primeiro estudo busca verificar os efeitos cognitivos e comportamentais produzidos pela AEME injetada de forma intracerebroventricular em ratos, bem como procurará compreender as bases moleculares da ação deste metabólito tendo especial atenção aos seus efeitos sobre o estresse oxidativo e os processos neuroinflamatórios. Dada a sua elevada neurotoxicidade, espera-se que a AEME comprometa a função cognitiva de forma importante provavelmente consequente à neuroinflamação e ao estresse oxidativo. Um aspecto importante relacionado aos efeitos do uso e abuso de drogas é a presença, ou ausência, de estímulos no ambiente no qual o indivíduo está inserido. O empobrecimento de estímulos pode influenciar negativamente os efeitos comportamentais e neuroquímicos relacionados ao abuso de drogas, dificultando a recuperação de indivíduos dependentes. Por outro lado, um ambiente enriquecido de estímulos pode promover uma série de alterações moleculares e comportamentais que culminam em uma melhora cognitiva, podendo assim a estimulação ambiental emergir como uma importante estratégia, não invasiva e de baixo custo, no tratamento da dependência. Dessa forma, o segundo estudo além de avaliar os tipos de memória que podem ser comprometidos com o consumo da droga, bem como os sistemas neurotransmissores envolvidos, em animais submetidos à inalação da fumaça oriunda da queima de pedras de crack por 15 dias, irá verificar se o enriquecimento ambiental poderia melhorar ou mesmo reverter os déficits de memória eventualmente observados e por quais mecanismos bioquímicos e moleculares isso ocorreria. Considerando resultados comportamentais prévios, espera-se que o crack prejudique diferentes tipos de memória com alterações de diferentes neurotransmissores e que o enriquecimento ambiental reduza estes efeitos. .

Starting date: 2015-04-01
Deadline (months): 36

Participants:

Rolesort descending Name
Coordinator * Rita Gomes Wanderley Pires
Student Doctorate * Tamara Andrea Alarcon Ferreira
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105