BIOPROSPECÇÃO DE VENENO DE MOLUSCOS CONÍDEOS VISANDO O ISOLAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE PEPTÍDEOS/PROTEÍNAS COM ATIVIDADES FARMACOLÓGICAS DE INTERESSE BIOTECNOLÓGICO

Resumo: O estudo de venenos animais é de extrema importância na descoberta de novos agentes farmacológicos para fins terapêuticos e científicos. Venenos de animais aquáticos são relativamente pouco explorados, o que, em grande parte, se deve ao difícil acesso aos ecossistemas que abrigam certas espécies. A diversidade encontrada dentre as espécies de Conus é refletida na composição do veneno desses animais, que contém uma imensa gama de peptídeos tóxicos denominados conopeptídeos. O baixo índice de homologia encontrado entre a estrutura primária desses peptídeos nas várias espécies de Conus demonstra que cada veneno apresenta composição essencialmente única. Os conopeptídeos se ligam com grande especificidade a canais iônicos. Os papeis fisiológicos cruciais desempenhados por essas moléculas faz com que o potencial contido nos venenos de conídeos seja imensurável. Esse potencial tem sido melhor explorado quando comparado ao de outros animais peçonhentos aquáticos. Isso se deve à extraordinária estabilidade estrutural dos conopeptídeos – que podem ser facilmente sintetizados – e também à sua especificidade de ligação. Além desses peptideos, venenos de conídeos possuem proteínas de alto peso molecular, dentre estas proteases e hialuronidases, que apresentam grande interesse farmacológico e clínico, devido ao seu envolvimento com vários processos fisio-patológicos. No Brasil já foram descritas cerca de 20 espécies de moluscos do gênero Conus. Duas dentre as espécies encontradas na costa brasileira – C. regius e C. ermineus – já tiveram seus venenos parcialmente caracterizados. No entanto, o fracionamento dos venenos dessas espécies revelou a presença de muitas outras frações proteicas além das já descritas, ou seja, há ainda muito o que se explorar. Portanto, o objetivo imediato desse projeto consiste na caracterização bioquímica, estrutural e funcional de conopeptídeos e de hidrolases com atividade hialuronidasica presentes no veneno do molusco C. regius e de quaisquer outras espécies que por ventura venham a ser encontradas na costa capixaba. Com isso visamos à busca de novos agentes farmacológicos e potencialmente terapêuticos.

Data de início: 2020-08-01
Prazo (meses): 24

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Colaborador Cristina Martins e Silva
Colaborador Rita Gomes Wanderley Pires
Coordenador Suely Gomes de Figueiredo
Pesquisador Fabiana Vasconcelos Campos
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105