Estudo morfológico das artérias coronárias e do miocárdio de ratos orquidectomizados com e sem insuficiência

Resumo: O sistema cardiovascular é um importante alvo da função e da ação dos androgênios e o seu papel após a injúria cardíaca merece ser melhor esclarecido (LEE et al., 2014). A remoção da testosterona através da orquidectomia tem mostrado reduzir os prejuízos causados pelo Infarto do Miocárdio (IM), tais como o remodelamento ventricular, a diminuição da complacência, a hipertrofia e a fibrose cardíaca (GOLDEN et al., 2005). Estudo previamente realizados por nosso grupo de pesquisa, mostrou a manutenção da força de contração em ratos infartados que tenham sofrido previamente a cirurgia de orquidectomia. Sugerimos que a supressão de hormônios androgênios, pode ter assegurado a força de contração da câmara ventricular esquerda de animais orquidectomizados pós-IM. Este estudo investigará os efeitos da testosterona na função cardíaca após o IM em ratos machos. A cirurgia de orquidectomia será realizada para retirada dos testículos. Uma semana após, os animais serão submetidos à cirurgia de IM. Para o controle da amostra, realizaremos a cirurgia fictícia de IM e obteremos o grupo Sham. Os animais serão divididos nos seguintes grupos: grupo orquidectomizado (OQT), grupo infartado (IM), grupo orquidectomizado e infartado sem IC (OQT+IM), grupo orquidectomizado e infartado com IC (OQT+IM+IC) e grupo Sham. 60 dias após o IM, serão realizadas medidas hemodinâmicas. Em seguida, os corações serão coletados para as seguintes avaliações: distribuição anatômica das artérias coronárias através da angiotécnica de modelagem das coronárias e análises histológicas como, medida de hipertrofia do miócito ventricular, quantificação do colágeno nos ventrículos direito e esquerdo e medida da área de infarto. Uma parcela dos animais será acompanhado até seu óbito, sem que sejam feitas intervenções experimentais durante sua sobrevivência. Após o óbito obter-se-á, peso corporal, peso dos ventrículos direito e esquerdo, peso do pulmão, área de cicatriz de IM. Estes corações também serão submetidos aos estudos anatômicos/histológicos. Fundamentado em resultados anteriores, esperamos encontrar uma eficiente neovascularização do leito coronariano em ratos orquidectomizados após IM, além de identificar uma correlação entre a distribuição anatômica das artérias coronárias e a ocorrência ou não da IC após o IM.

Data de início: 2016-07-18
Prazo (meses): 24

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Colaborador Athelson Stefanon Bittencourt
Colaborador Priscila Rossi de Batista
Colaborador Rogério Faustino Ribeiro Júnior
Coordenador Aurélia Araújo Fernandes
Pesquisador Ivanita Stefanon
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105